Polêmico artista chinês Ai Weiwei visita Portela e ganha convite para desfilar

Fora da avenida Portela

Ai Weiwei com Luis Carlos e Rosa Magalhães – Foto: Douglas Lied/Divulgação Portela

O barracão da Portela recebeu nesta sexta-feira a visita do artista plástico chinês Ai Weiwei, um dos mais conhecidos do mundo.

Conhecido pelo intenso engajamento político, de forte crítica ao governo da China, o artista se disse impressionado com o trabalho da carnavalesca Rosa Magalhães. “O trabalho feito aqui dentro é impressionante. Nunca pensei poder conhecer isto de perto. É encantador! Quero agradecer a todos da Portela pela recepção”, disse Weiwei, em declaração reproduzida pelo site da escola.

O chinês posou para fotos com integrantes da Portela e ganhou de presente o clássico chapéu personalizado.

“Ele faz trabalhos e instalações impressionantes, gigantescas. É um trabalho com um conceito muito interessante. Que bom que ele veio nos visitar”, disse Rosa, fã do trabalho do artista.

O presidente da Portela, Luís Carlos Magalhães, considerou a visita histórica e convidou o artista para desfilar na escola.

“Além de ser uma pessoa com muitos talentos, o Ai Weiwei é um artista muito preocupado com as grandes questões que estão sendo discutidas hoje em dia, como a imigração e a intolerância. E a Portela vai justamente abordar alguns desses temas dentro do seu enredo. O interesse dele em nos conhecer mostra como a mensagem do nosso enredo é atual. Ficamos muito felizes em recebê-lo. Foi histórico”, vibrou.

Ai Weiwei tira uma selfie com Rosa Magalhães – Douglas Lied/Divulgação Portela

Ai Weiwei assista ao desfile campeão da Portela de 2017 – Douglas Lied/Divulgação Portela

Polêmica

Ai Weiwei é um dos mais provocativos artistas de seu tempo. Suas obras normalmente causam polêmica, como as fotos em que aparece mostrando o dedo médio para o palácio do governo chinês e outras edifícios importantes pelo mundo. Em outra imagem marcante, fotografou a sua mulher mostrando a calcinha na praça da Paz Celestial, no dia de 4 de junho de 1994, justamente o aniversário de cinco anos do conhecido massacre ocorrido no local.

Em 2011, Weiwei chegou a ser passar três meses preso, em circunstâncias até hoje mal explicadas. Oficialmente, a detenção foi motivada por causa de problemas fiscais da sua empresa.

O chinês viajou ao Brasil para conhecer a Oca, em São Paulo, que receberá uma mostra sua.

Foto da mulher de Ai Weiwei na Praça da Paz Celestial

Sobre o autor

Romulo Tesi

Romulo Tesi

Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Deixe o seu comentário