“Se gritar pega ladrão…”: conheça a origem da frase

Fora da avenida
Romulo Tesi
Escrito por Romulo Tesi

Você deve ler em algum post nas redes sociais ou ouvir alguém cantarolar nos próximos dias: “se gritar pega ladrão, não fica um, meu irmão”. Tudo por causa da divulgação da notícia de que o presidente Michel Temer tentou comprar o silêncio de Eduardo Cunha.

No entanto, é bem possível que muitos citem a frase sem saber que se trata de um samba. E que tem entre seus autores um famoso compositor da Portela, campeão várias vezes nas disputas de samba enredo: Ari Alves de Souza, o Ary do Cavaco.

Leia também:
“Gosto da Portela jogando bonito”, diz presidente

A música em questão se chama “Reunião de Bacana” (e não “Se gritar pega ladrão”, como aparece muitas vezes no You Tube), em que Ary contou com a parceria de Bebeto Di São João (de acordo com informações do Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira). O samba foi gravado pela primeira vez pelo grupo Exporta Samba, em 1981.

O álbum levou o nome da música (que já havia sido apresentada no festival MPB Shell) e tem como capa uma foto dos integrantes do conjunto jogando sinuca, vestidos de fraque e cartola. O disco ganhou uma versão comemorativa em 2010, já em CD. “Reunião de Bacana” seria gravada posteriormente por mais gente como Diogo Nogueira, Originais do Samba e Fundo de Quintal. Abaixo, a versão original.

Autor deste hino atualíssimo, Ary também fez parte de várias parcerias vencedoras nas disputas de samba enredo da Portela. Segue a lista:

– 1969, “As Treze Naus”
– 1971, “Lapa em Três Tempos”, gravado por Paulinho da Viola
– 1986, “Morfeu do Carnaval – A Utopia Brasileira”
– 1992, “Todo azul que o azul tem”
– 2006, “Brasil marca a tua cara e mostra para o mundo”
– 2008, “Reconstruindo a natureza, recriando a vida: O Sonho vira realidade”

Ary do Cavaco

O compositor foi presidente da Ala de Compositores da Portela e organizou, em 2000, um disco com integrantes do segmento da escola. Mais tarde a ala seria batizada com seu nome.

O portelense teve músicas gravadas por outros grandes nomes da música brasileira, como Zeca Pagodinho, Elizeth Cardoso e Almir Guineto.

Ary nasceu em 17 de fevereiro de 1942, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Trabalhou como engraxate, vendedor de pão e torneiro mecânico. Aprendeu a tocar cavaquinho sozinho. Morreu em 22 de setembro de 2011, enquanto dormia (conforme noticiou na época o site Portelaweb), sem ver mais uma obra sua disputar uma final de samba enredo da Portela.

Sobre o autor

Romulo Tesi

Romulo Tesi

Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Deixe o seu comentário