Home » Crivella pode cortar verba das escolas de samba mirins

Crivella pode cortar verba das escolas de samba mirins

Ritmista mirim da Mangueira do Amanhã, no Carnaval de 2017 – Raphael David/Riotur

Depois dos cortes de verba para o Grupo Especial e da Série A, a tesoura da Prefeitura do Rio pode chegar às escolas de samba mirins.

O martelo ainda não está batido, mas a associação responsável pelos desfiles da criançada já foi avisada pelo Riotur que pode haver redução pela metade na subvenção destinada às apresentações. Uma reunião na próxima terça-feira (14) com o prefeito Marcelo Crivella e o presidente da Riotur, Marcelo Alves, deve decidir o caso.

Se acontecer o corte, a verba destinada às 16 agremiações mirins será reduzida de R$ 70 mil para R$ 35 mil, aproximadamente. O resultado: entre 17 mil e 20 mil crianças podem ficar sem desfilar em 2018.

“Não está oficializado ainda (o corte). Estamos aguardando para depois nos posicionarmos. Se acontecer o corte, talvez haja diminuição no número de crianças”, afirmou o presidente da Associação das Escolas de Samba Mirins do Rio, Edson Marinho, ao Setor 1.

Segundo Marinho, quase 40 mil crianças se apresentam, sem cobrança de fantasia, todos os anos na terça-feira de Carnaval, no Sambódromo. E os desfiles, diz ele, vão acontecer.

“Isso está garantido”, afirmou.

Mais:
Uber faz proposta de R$ 10 milhões para patrocinar o Carnaval
Doria vai repassar verba maior para escolas de São Paulo que Crivella no Rio
Vote! Qual é o melhor samba-enredo de 2018?
“Os desfiles ficaram caretas”, diz carnavalesco da Mangueira

Base

As escolas de samba mirins são a categoria de base das agremiações. As principais contam com versões formadas totalmente de crianças, que dão assim os primeiros passos no universo do Carnaval. Muitos do ritmistas, passistas e casais de mestre-sala e porta-bandeira começam nessas escolas antes de chegarem ao “time principal”.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.