Portela espera conseguir R$ 2 milhões via Lei Rouanet

Grupo Especial - Rio Portela

Luís Carlos com Rosa Magalhães – Fábio Fabato

A Portela tentará bancar parte do orçamento do seu desfile de 2018 com recursos via Lei Rouanet, a Lei de Incentivo à Cultura.

A ideia é conseguir a aprovação para captar no mercado cerca de R$ 2 milhões.

“Colocamos um grupo de cinco ‘atiradores’ para tentar alguma coisa. Se conseguirmos R$ 2 milhões já estará muito bom. É pouco para algumas escolas, mas está de bom tamanho para nós”, disse o presidente portelense, Luís Carlos Magalhães, ao Setor 1.

A escola não descarta buscar também um patrocínio direto.

Leia também:
Presidente da Portela mostra otimismo por verba federal, mas relação com Prefeitura preocupa

‘Os desfiles das escolas de samba ficaram caretas’, diz carnavalesco da Mangueira

Magalhães assumiu a Portela após a morte do então presidente da escola, Marcos Falcon, em setembro de 2016, e comandou a reta final dos trabalhos para a desfile campeão de 2017 – mesmo com poucos recursos financeiros.

“Fizemos o Carnaval sem nenhuma ajuda, vivendo aquele enfrentamento com os credores. É uma experiência que não quero viver de novo. É quase uma tortura”, recorda.

Em 2018, a Portela terá como enredo “De repente de lá pra cá e dirrepente daqui pra lá”, assinado pela carnavalesca Rosa Magalhães. A escola contará a história dos judeus que partiram da Europa fugindo da Inquisição e chegaram ao Brasil, e que depois ajudaram a criar a cidade de Nova York. No desfile, a agremiação pretende erguer bandeiras contra a xenofobia e a intolerância.

A Mangueira chegou a conseguir a autorização para captar, via Lei Lei Rouanet, R$ 7 milhões, para um enredo sobre o artista plástico Helio Oiticica. Mas nenhuma empresa se interessou pelo projeto.

Portela 2017 – Foto: Fernando Grilli/Riotur

Leia também:
Corte de verba ameaça realização de ensaios técnicos
Mangueira anuncia enredo-resposta a Crivella e manda o povo brincar Carnaval sem dinheiro
Carnavalesco explica recusa de enredo sobre Huck: fora do ‘padrão Mangueira’
Vereador diz que Carnaval é culto a orixás com dinheiro público e fonte de lucro para tráfico e prostituição
Carnaval SP: Doria sinaliza redução de verba da prefeitura, mas garante recursos
Presidente de escola se desculpa por ter apoiado Crivella nas eleições
Site fala em ‘profecia’ feita por cantora gospel: ‘Carnaval vai falir’
Alcione: ‘nesse país os caras roubam na Petrobras e a culpa é do samba’
Secretário de Crivella sugere corte de 100% da verba para escolas e critica Paes

 

Sobre o autor

Romulo Tesi

Romulo Tesi

Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Deixe o seu comentário