Home » Aílton Graça: escolas de samba devem ser do povo, não de celebridades

Aílton Graça: escolas de samba devem ser do povo, não de celebridades

Aílton Graça joga capoeira no vão do Masp – Romulo Tesi
Aílton Graça - Romulo Tesi
Romulo Tesi

O ator Aílton Graça é figura fácil nas escolas de samba. Em São Paulo e no Rio. E está sempre atento aos movimentos de defesa dos negros e da cultura popular. Falando com conhecimento de causa, Graça faz um alerta: as agremiações devem ser do povo, e precisam valorizar mais os negros e as suas raízes do que musas de ocasião e certos oportunistas.

“As escolas não podem virar lugar de celebridade. Tem que ser o lugar do povo, que é quem sustenta tudo”, disse o ator ao Setor 1, durante ato de movimentos negros na Avenida Paulista.

Veja também:
Ministério do Trabalho quer compromisso de escolas por melhorias definitivas nos barracões
Presidente da Mangueira sofre críticas por votar pela soltura de deputados
Salgueiro oferece sede para ensaios da São Clemente, que teve quadra fechada
Quiz: Teste seus conhecimentos sobre os enredos afro da história

“Há um grande equívoco. Algumas escolas partiram para o caminho da industrialização, viraram ‘escolas de samba SA’ (citando o samba do Império Serrano de 1982). Mas a base ainda é negra. Há uma dificuldade, ainda, de algumas comunidades entenderem que esse é um legado quase quilombola. As escolas são pequenos quilombos. Na hora que isso ficar entendido, aí sim teremos uma grande virada dentro das escolas de samba”, declarou.

Paulista, o ator pretende desfilar pelo menos em duas agremiações no Rio em 2018: Mangueira, sua escola, e o Salgueiro. Em São Paulo, costuma integrar a equipe de comentaristas de Carnaval de TV Globo.

“Muito estranha”

Sobre a Manga, Graça exaltou o enredo criado pelo carnavalesco Leandro Vieira, “Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco”, uma reação ao prefeito do Rio, Marcelo Crivella, e aos cortes de verba para o Carnaval.

“É uma resposta muito significativa para o que está acontecendo. Tem uma coisa muito estranha se passando no Rio. Quero entender direito o que ele quer fazer”, disse, referindo-se à postura distante e pouco amigável de Crivella em relação ao Carnaval.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.