Setor 1

Alexandre Louzada volta à Beija-Flor para trabalho solo

Alexandre Louzada - Facebook Mocidade
Alexandre Louzada – Facebook Mocidade

Alexandre Louzada está de volta à Beija-Flor. A contratação do carnavalesco foi anunciada nesta quinta-feira, 21.

A escola informou, por meio de sua assessoria de comunicação, que Louzada realizará sozinho o desenvolvimento do próximo Carnaval. Com isso, está extinto formato das comissões.

A última vez que a Beija-Flor teve um carnavalesco solo foi em 1997, com Milton Cunha. A partir de 1998, a escola passou a ter seus desfiles criados pelas comissões, que tiveram vários membros e configurações diferentes desde então. O período é o mais vitorioso da escola, com nove títulos – 1998, o tri 2003-05, o bi 2007-08, 2011, 2015 e 2018 -, época em que a Beija-Flor dominou o Carnaval e ajudou a criar uma “grife” que influenciou outras agremiações, sem o mesmo resultado.

No seu derradeiro Carnaval, em 2019, a comissão teve entre seus integrantes o renomado carnavalesco Cid Carvalho, além de Victor Santos, Bianca Behrends, Rodrigo Pacheco, Léo Mídia e Válber Frutuoso.

Mudanças

A decisão de “repatriar” Louzada marca também o retorno da Beija-Flor ao seu estilo mais clássico, marcado pelo luxo e opulência, com forte apelo visual, distante do que foi apresentado nos últimos dois desfiles. Nesses, a agremiação priorizou a dinâmica das alegorias em vez da estética, fruto em parte da maior participação do coreógrafo Marcelo Misailidis na concepção dos enredos.

Beija-Flor 2019 – Fernando Grilli/Riotur

Também pesou a mudança na gestão da escola, com maior poder de decisão dado ao jovem herdeiro Gabriel David, filho de Anísio Abraão David.

Deu certo em 2018, com a conquista do título – ainda que muitos coloquem o resultado na conta da força do chão nilopolitano. Este ano, porém, já sem Laíla, a escola amargou um 11º lugar, pior resultado da sua história no Grupo Especial.

Leia também:
Beija-Flor 70 anos: teste seus conhecimentos sobre a Deusa da Passarela

Samba da Mangueira é cantado em sessão solene dedicada a Marielle Franco na Câmara
Há 20 anos, Mangueira ‘trazia’ 14 bambas do céu e causava choro coletivo na Sapucaí

Um dos mais experientes artistas do Carnaval, Louzada já assinou, como integrante da comissão, cinco desfiles na Deusa da Passarela, com três títulos: 2007, 2008 e 2011, quando inclusive ganhou também o Carnaval em São Paulo, com o Vai-Vai.

O carnavalesco ganhou mais três títulos no Grupo Especial do Rio: Mangueira 1998, Vila Isabel 2006 e Mocidade Independente de Padre Miguel 2017, sua última escola antes do retorno a Nilópolis.

Anúncio da contratação de Alexandre Louzada pela Beija-Flor – Divulgação
Romulo Tesi

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • A Comissão de Carnaval continua, mais estando na Direção de Carnaval e auxiliando o Louzada, mais pra quem deu mais títulos a escola deveria ser extinguir de vez e não rebaixar para outros cargos, até por quê não se tem mais o seu maior mentor :Laíla.

  • O título da Beija-Flor não foi feito pelo playboyzinho, quem ganhou mesmo foi o chão da escola e simplesmente o Laíla. e outra semana passada ele quase que fez uma fake news ao falar que o Louzada não ia fazer sozinho o desfile de 2020, quando na verdade ele seria responsável pelo desfile, rebaixando os membros da Comissão para auxiliares e na Direção de Carnaval.

Romulo Tesi

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Carnaval 2020 | FALTAM

Mais Categorias