Home » Bruno Fillipo: Elifas Andreato traduziu em imagens as letras e melodias das canções

Bruno Fillipo: Elifas Andreato traduziu em imagens as letras e melodias das canções

Expoente da arte gráfica no Brasil, Elifas Andreato uniu-a à música popular brasileira. De modo que, morto na madrugada da última terça-feira (29), aos 76 anos, tanto a música quanto a plástica reivindicaram seu corpo. Ele soube traduzir em imagens o que a letra e a melodia ressoavam por meio da canção, em uma mistura que tornou tão belas e marcantes as capas de discos.

Trabalhou com os grandes da MPB: Elis Regina, Chico Buarque, Paulinho da Viola, Martinho da Vila, Clara Nunes, Beth Carvalho, Toquinho, Vinicius de Moraes. Foi com Paulinho que fez seu trabalho mais marcante, no LP “Nervos de Aço”, de 1973.

Elifas começou a desenhar a música no início dos anos 1970, quando a era dos LPs propiciava o burilamento da linguagem visual. Mas seu talento espraiou-se para outras áreas. Fez cartazes para o teatro, capas de livros, ilustração para jornal.

No teatro destacam-se “Calabar”, de Chico Buarque e Ruy Guerra; e” A Morte do Caixeiro Viajante”, dirigido por Flávio Rangel – e elogiado pelo autor da peça, o americano Arthur Miller.

Elifas Andreato residia na capital paulista e morreu após complicações decorrentes de um infarto que sofrera havia alguns dias.

*Bruno Filippo é jornalista e sociólogo e escreveu este artigo como convidado.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.