Home » Clarice Linspector será enredo da Tradição

Clarice Linspector será enredo da Tradição

A Tradição, atual campeã da Livres (Intendente Magalhães), anunciou a escritora Clarice Linspector como enredo no Carnaval de 2021. O desfile será desenvolvido pelo carnavalesco e artista plástico Leandro Valente.

O enredo em homenagem à autora ucraniana naturalizada brasileira foi batizado somente como “Clarice”.

“Sou fã de sua obra desde muito jovem. Um apaixonado declarado por Clarice Lispector. Estou extremamente honrado em poder levar esse enredo no retorno da Tradição para a Série A. Uma escola que tenho total liberdade artística, lugar que considero minha segunda casa e, principalmente, agremiação que a presidente Raphaela faz questão de participar de cada etapa. Isso é raro no Carnaval. Ela conhece tudo, cada detalhe e faz muito a diferença. É uma mistura de prazer, emoção e responsabilidade enorme narrar esse ícone da literatura brasileira e do mundo”, disse Valente, em declaração divulgada pela escola.

“Que honra poder levar a intensidade e o amor de Clarice Lispector para a Sapucaí em 2021. Para mim é um momento singular. Poder brindar o público na Avenida com uma história tão visceral e nossa. Brasileiríssima! Quando escolhemos o enredo, minha equipe e eu ficamos extremamente emocionados. Será a terceira vez que, na minha gestão, iremos homenagear e aplaudir a história de uma mulher. Essa representatividade é importante demais na minha trajetória de defensora dos direitos das mulheres e de valorização. Clarice foi e é um ícone! Faremos toda sua narrativa brilhar na Sapucaí”, vibrou a presidente da Tradição, Raphaela Nascimento.

Enquanto isso, permanece o impasse sobre o acesso no Rio. A Tradição, campeã de uma das ligas da Intendente Magalhães, entende que deve desfilar pela Série A, mas o regulamento da Lierj, que organiza as apresentações do acesso, prevê a participação de campeã e vice do Grupo Especial da Intendente Magalhães, da Liesb.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.