Home » Clarissa Garotinho defende apoio privado às escolas e relata confissão de Crivella sobre fim do Carnaval

Clarissa Garotinho defende apoio privado às escolas e relata confissão de Crivella sobre fim do Carnaval

Clarissa Garotinho – prosnacamara.org.br

A deputada federal Clarissa Garotinho (PROS), pré-candidata à prefeitura do Rio de Janeiro, disse em debate promovido pela Rádio Arquibancada, nesta segunda-feira, 10, que defende maior participação da iniciativa privada no Carnaval, sobretudo no apoio às escolas de samba. Clarissa afirmou ser a favor da subvenção, desde que haja dinheiro nos cofres da administração municipal, mas sinalizou que o próximo ano deve ser marcado pelas dificuldades financeiras, por causa da crise do coronavírus.

“Se tiver espaço para algum tipo de subvenção, não vejo problema, mas o Carnaval carioca, reconhecido mundialmente, tem condições de aumentar a participação privada”, declarou a parlamentar, que criticou a forma como a ajuda estadual foi feita este ano, sem planejamento.

Perto dos desfiles, o governador do Rio, Wilson Witzel, anunciou o patrocínio da Refit para as escolas, sendo que os recursos só chegaram às agremiações após o Carnaval.

“Não pode ser feito na noite para o dia, como aconteceu esse ano. Tem que ser claro com as escolas, dar um planejamento”, afirmou Clarissa, que evitou garantir o retorno da subvenção, cortada integralmente este ano pelo prefeito Marcelo Crivella.

Crivella e o fim do Carnaval

Repetindo o que Eduardo Paes já havia feito em debate anterior promovido pela Rádio Arquibancada, a deputada também foi dura nas críticas a Crivella.

Para Clarissa, que foi secretária municipal de Desenvolvimento, Emprego e Inovação na gestão Crivella até abril de 2018, o atual prefeito despreza o Carnaval, o que ajuda a afugentar investimento privado da festa.

Leia também:
Lei Rouanet: Governo federal autoriza Mangueira a captar R$ 2,7 milhões

Rio de Janeiro pode ficar sem desfiles das escolas de samba em 2021

“Quando a iniciativa privada percebe que nem o prefeito dá a devida importância ao evento, por que ela vai investir?”, declarou a deputada, que relatou um episódio narrado a ela envolvendo o chefe do executivo municipal, em que Crivella teria afirmado que tinha como objetivo acabar com o Carnaval carioca.

“Quando você não tem um prefeito que entende a importância do evento para a cidade, ele confunde e joga a população contra. Eu conheço uma pessoa que teve uma reunião com ele, em que ele disse claramente para essa pessoa: ‘eu vou acabar com o Carnaval do Rio de Janeiro’. É um objetivo de vida, de gestão. Talvez a maior tristeza do Crivella seja ter visto que o Carnaval sobreviveu apesar dele”, narrou.

Assista ao debate na íntegra:

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

1 comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Essa aversão do Crivella ao Carnaval, sempre foi perfeitamente visível e perguntar não ofende: Alguém já assistiu o Prefeito entregando simbolicamente a chave da cidade ao Rei Momo?