Home » Como uma gira de malandro deu o ‘sinal’ para carnavalesco fazer enredo sobre Zeca Pagodinho na Grande Rio

Como uma gira de malandro deu o ‘sinal’ para carnavalesco fazer enredo sobre Zeca Pagodinho na Grande Rio

Zeca Pagodinho será enredo da Grande Rio em 2023 - Divulgação
Zeca Pagodinho será enredo da Grande Rio em 2023 – Divulgação

O nome de Zeca Pagodinho já pairava sobre a Grande Rio desde o ano passado, enquanto a escola ainda preparava o desfile campeão sobre Exu. Segundo um dos carnavalescos da agremiação, Leonardo Bora, a ideia de dedicar o enredo ao sambista passou por alguns estágios até amadurecer, mas houve um sinal decisivo pela escolha.

Na noite do sábado 22, dia do desfile oficial da Grande Rio, Bora estava sob o carro abre-alas dando os últimos retoques quando veio o “chamado”.

“A resposta definitiva veio na concentração. Já era noite, e eu estava debaixo do platô do abre-alas terminando de pintar umas raízes. Foi a última coisa que a gente fez antes de sair para tomar banho e se preparar pra para o desfile”, relata Bora, em live do programa Bar Apoteose, do canal de YouTube TV Paticumbum.

Como a Grande Rio foi de ‘Unidos do Projac’ à vanguarda do Carnaval
Leandro Vieira é novo carnavalesco da Imperatriz
Barulho de camarote da Sapucaí motivou fotógrafo a registrar imagem que viralizou
Carnavalesco campeão da Grande Rio desfila de baiana no terceiro grupo

“E começou a rolar uma roda de malandro [linha de entidades da Umbanda] na rua, com o pessoal da força [trabalhadores da Grande Rio]. Ali já havia uma energia, um clima… E eu estava debaixo do carro ouvindo, a gira [ritual da Umbanda] girando, a maior empolgação, o batuque… E a gira terminou com uma música do Zeca. Eu falei: ‘então tem alguma coisa aí'”, completou o carnavalesco, revelando ainda que o samba que encerrou a gira foi “Patota de Cosme”.

Assista:

Bora deu pistas de como ele o carnavalesco Gabriel Haddad pretendem trabalhar o enredo sobre Zeca Pagodinho: menos biográfico, mais sobre o universo do sambista.

“O nome já vinha sendo debatido, e muito a partir desse olhar para as coisas do subúrbio do Rio de Janeiro. A gente continua pensando em religiosidades populares, esse trânsito da fé que passa pela linha do trem, pela ‘fezinha’ na esquina e termina tomando um gole de cerveja sob o sol de meio-dia diante de uma igreja”, afirma Bora.

Bora e Haddad afirmaram ainda que a ideia de fazer o enredo partiu deles, os carnavalescos, e não da diretoria ou de um eventual patrocinador.

Segundo Haddad, o desfile sobre Zeca Pagodinho já estava nos planos desde meados de 2021.

“A gente vinha pensando [no Zeca] desde o meio do outro ano [2021]. E pensávamos o que faríamos depois de Exu, que era a aposta mais alta. O Zeca é uma reviravolta. A gente vai continuar olhando para a comunidade de Duque de Caxias, da Grande Rio, com carinho para essa ligação da escola com seus componentes. É olhar para o Zeca e pensar nas pessoas que estarão nos ensaios e na Sapucaí”, disse.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.