Home » Em protesto, Mocidade Unida da Mooca reescreve lema da bandeira do Brasil e cobra reparação ao povo negro

Em protesto, Mocidade Unida da Mooca reescreve lema da bandeira do Brasil e cobra reparação ao povo negro

Bandeira do Brasil da Mocidade Unida da Mooca – Romulo Tesi

A Mocidade Unida da Mooca, escola do Acesso 1 de São Paulo, aproveitou o ensaio técnico do último sábado, no Anhembi, para fazer novo protesto.

A agremiação levou para o Sambódromo bandeiras do Brasil sem as cores oficiais, pintadas somente de preto e branco, e com o lema trocado: no lugar de “Ordem e Progresso”, um provocador “Erguido sobre sangue preto”. Logo abaixo, a palavra “reparação”.

Veja a ordem dos desfiles de 2020

O enredo da escola em 2020 é o professor, senador, dramaturgo e ativista – entre outras atividades – Abdias Nascimento, que militou pelos direitos humanos e no movimento negro. Daí a ideia da bandeira.

Desenho da bandeira da MUM

Recentemente, em entrevista ao Setor 1, o carnavalesco da escola, André Rodrigues, disse que “não adianta fazer esse enredo e não apoiar as causas que o Abdias apoiava”. Tanto que a escola organiza uma ala que desfilará com componentes exibindo cartazes com reivindicações e palavras de ordem.

Mais:
Irmã de Marielle Franco vai desfilar na Mocidade Unida da Mooca

Homem de fé, Leandro Vieira desconstrói ‘Cristo europeu’ na Mangueira e pede passagem para seu ‘Jesus da Gente’
Único carnavalesco negro no Grupo Especial, seguidor de Joãosinho Trinta e fã de Clodovil: João Vítor Araújo conta trajetória até o Tuiuti
Ultra-conservadores de hoje representam os que tramaram a condenação de Jesus, diz Leonardo Boff sobre ataques à Mangueira
Pastor Caio Fábio compara samba da Mangueira de 2020 ao evangelho de Jesus e critica fanatismo religioso; assista
Com Elza Soares, pai de santo e v
olta de Jesus Cristo, Carnaval 2020 será marcado pela crítica social; conheça os enredos

No desfile deste sábado, integrantes da ala levaram faixas em defesa das mulheres, LGBTQ+, negros, contra a intolerância religiosa e outras reivindicações. A ideia é que as pessoas levem suas próprias faixas para o desfile. Quem quiser participar pode fazer o próprio cartaz e levar aos ensaios, além de entrar em contato com Jussara (11 97297-1821) ou Jéssica (11 96717-9548).

Na festa de lançamento do CD, em dezembro do ano passado, a escola se destacou na Fábrica do Samba ao fazer um protesto lembrando os mortos no baile funk em Paraisópolis e em operações policiais em Heliópolis e no Morro do Dendê, no Rio de Janeiro. A expectativa é que ação semelhante aconteça no desfile oficial, no domingo de Carnaval.

Não é a primeira vez que uma escola de samba apresenta uma nova versão da bandeira do Brasil. No desfile campeão de 2019, a Mangueira levou a sua também: verde e rosa, e com o lema “Índios, negros e pobres”.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.