Home » Escolas de samba recebem verba da Prefeitura do Rio; Liesa busca mais R$ 5 milhões do Governo Federal

Escolas de samba recebem verba da Prefeitura do Rio; Liesa busca mais R$ 5 milhões do Governo Federal

Beija-Flor 2017 – Tata Barreto/Riotur

Pintou dinheiro. As escolas de samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro receberam, enfim, as duas primeiras parcelas de R$ 450 mil cada da subvenção da Prefeitura.

Dependendo do ritmo dos repasses e da vontade do governo do presidente Michel Temer, o orçamento de cada escola para o Carnaval 2018, contando verbas oficiais, pode chegar a R$ 2,5 milhões.

Segundo o presidente da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), Jorge Castanheira, a verba da gestão Marcelo Crivella (a segunda parcela) foi depositada na última segunda-feira. Faltam apenas R$ 100 mil, que só serão repassados após a prestação de contas das agremiações.

Com isso, da parte da administração municipal, a Liesa ainda aguarda os R$ 500 mil do Uber. A empresa de transporte particular apresentou uma proposta de R$ 10 milhões para patrocinar o Carnaval no segundo chamamento público da Riotur. Deste valor, R$ 6,5 milhões serão destinados às escolas.

Da parte do Governo Federal, a Caixa Econômica Federal vai destinar R$ 8 milhões para as agremiações, sendo R$ 7 milhões diretamente como patrocínio e R$ 1 milhão via Lei Rouanet. O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, confirmou os recursos no último dia 28 de novembro.

Ainda não há uma previsão de data para a verba ser repassada.

“Agora não é possível falar em prazo”, disse Castanheira ao Setor 1.

Veja também:
Quiz: Siga as pistas e tente descobrir quem são esses sambistas
Ministério do Trabalho quer compromisso de escolas por melhorias definitivas nos barracões
Presidente da Mangueira sofre críticas por votar pela soltura de deputados
SP: Governo Federal anuncia liberação de R$ 40 milhões para a Fábrica do Samba

Temer com os representantes das escolas de samba do Rio nesta terça-feira, no Palácio do Planalto

Mais R$ 5 milhões

O presidente da Liesa espera a confirmação de uma data para mais uma reunião em Brasília com a direção da Caixa. O clima é de otimismo. “Se sai da área de patrocínio, é mais rápido”, prevê.

Atualmente, de verbas oficiais, as escolas conseguiram no total, entre o que foi prometido e o que já foi pago, pouco mais de R$ 2,1 milhões, cobrindo os R$ 2 milhões que a prefeitura dava como subvenção até 2017. Mas a Liesa sairá em busca de mais. No caso, R$ 5 milhões.

“A gente está tentando os outros R$ 5 milhões do Governo Federal. Foram prometidos R$ 13 milhões, e não R$ 8 milhões”, lembrou Castanheira, citando compromisso do governo Temer e o que foi anunciado pelo ministro da Cultura.

Em julho deste ano, representantes das escolas e da Liesa estiveram em Brasília para encontro com Temer e Leitão. Segundo presentes, foram prometidos R$ 13 milhões.

O presidente da União da Ilha, Ney Filardi, confirmou o depósito e comemorou, ainda que tenha críticas por conta da demora. “Agora é trabalhar, mesmo que com pouco dinheiro”, disse ao Setor 1 o dirigente, um dos maiores críticos de Crivella.

Na última sexta, Filardi publicou a foto do prefeito entregando um cheque simbólico a Castanheira com os dizeres: “Deu o cheque, mas o dinheiro não”. Na imagem, modificada, o presidente da Liesa, o presidente da Riotur, Marcelo Alves, e o diretor de Carnaval da Liesa, Elmo José dos Santos, aparecem com os rostos cobertos.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.