Home » Veto corintiano ao verde também vale no Carnaval, mas há uma exceção

Veto corintiano ao verde também vale no Carnaval, mas há uma exceção

Gaviões da Fiel, Carnaval
Detalhe de alegoria da Gaviões da Fiel de 2016 – Romulo Tesi

O atacante Jô, do Corinthians, acabou envolvido em uma polêmica neste domingo, 20, após jogar contra o Bahia, em partida pelo Brasileirão, usando uma chuteira verde. A cor, a mesma do rival Palmeiras, é proibida no clube. O jogador acabou advertido e multado pela diretoria, e recebeu uma série de críticas de torcedores nas redes sociais. Curiosamente, o veto ao verde também vale para o Carnaval, com a Gaviões da Fiel.

A torcida organizada, em sua versão escola de samba, também proíbe o uso da cor verde – inclusive em seus desfiles no Anhembi.

Não há fantasia, alegoria ou adereço da Gaviões que tenha verde. Mesmo que o enredo “force” a utilização da cor. Mesmo em alguns casos, em que a escola use signos ligados ao meio ambiente, por exemplo, os carnavalescos precisam evitar a cor do rival.

Gaviões da Fiel, Carnaval
Detalhe de alegoria da Gaviões da Fiel de 2016 – Romulo Tesi

Em 2016, um carro da Gaviões foi decorado com folhas, flores, borboletas e animais – mas nenhum sinal de verde. Com isso, a alegoria parecia estar em outono. As folhas, por exemplo, eram amareladas, com tons de vermelho. Sem prejuízo artístico, como atestam as fotos.

“A aversão dos corintianos a usar verde é anterior à existência da torcida organizada dos Gaviões e está fundamentada na rivalidade clássica com o Palmeiras”, explica o pesquisador Fábio Parra, diretor cultural da Mocidade Alegre.

“As escolas e blocos eram muito fiéis as suas cores. O regulamento impedia que se usasse mais de quatro cores, incluindo as oficiais, mais o branco, o preto, o prata e o ouro”, continua Parra.

O bloco Gaviões, lembra o pesquisador, ajudava a esquentar a pista para as escolas de samba.

“Os blocos especiais desfilavam no domingo à tarde, e o Gaviões, sempre campeão, escolhia pra fechar e já emendava com o desfile do Primeiro Grupo. O desfile do Primeiro Grupo já começava quente, depois do Gaviões, com seu visual sempre lindo, todo em preto, branco, ouro e prata. Às vezes um amarelo que, combinava muito”, diz.

Veja também:
Montagem informa ano errado para criar relação do adiamento do Carnaval à encenação com Jesus e diabo no desfile da Gaviões da Fiel

‘Nós nascemos para combater um ditador’, diz fundador da Gaviões da Fiel
Novo Anhembi prevê arena na concentração do Sambódromo; obra pode mudar desfiles
Senador Girão usa morte de Nelson Sargento para questionar eficácia da Coronavac
CPI da Covid: Mandetta nega que Bolsonaro tenha pedido cancelamento do Carnaval
Saiba quando cai o Carnaval em 2022

Sapo prateado

O julgador, afirma Parra, não deve levar em conta a restrição a cores ao atribuir notas aos quesitos visuais das escolas. Segundo ele é preciso inclusive respeitar as “questões identitárias”, contando jurados e carnavalescos.

“Os critérios de julgamento dos quesitos do módulo visual falam muito de leitura, acabamento, mas nunca de verossimilhança. O artista que não compreender essas questões identitárias não estará prestando um serviço à comunidade da escola. Em seu primeiro campeonato, a escola apresentou uma alegoria sobre a lenda do sapo e o príncipe, e lá estava o sapo prateado com detalhes roxos”, ressalta.

Madrinha pode

Mas não é só no desfile que o verde não aparece. A cor também é vetada na quadra da escola, como uma placa no local avisa.

“É expressamente proibido a entrada de verde” alerta o cartaz, para não ficar dúvida.

Gaviões da Fiel
Placa na Gaviões avisa: verde não pode – Foto: Bruno Malta

A única exceção é para o caso da visita da coirmã Camisa Verde e Branco. Os integrantes da escola da Barra Funda, que tem verde no símbolo – um trevo de quatro folhas – e no nome estão liberados para entrar na quadra da Gaviões com usando a cor. Mas só eles, e por um motivo especial: a escola é madrinha da agremiação corintiana.

“O Camisa Verde e Branco era presidido por uma família de corintianos. Quando a Gaviões deixou de ser bloco para se tornar escola de samba em 1988, o Camisa batizou a escola”, explica Parra.

O pesquisador lembra ainda que a Gaviões vira escola por iniciativa do então presidente da Liga-SP, Juarez da Cruz, que era palmeirense.

“O Camisa é verde não por motivos de futebol. ‘Camisas verdes’ era o apelido do Grupo Carnavalesco Barra Funda, gênese da escola, fundado em 1914”, completa Parra, que exalta a força das tradições.

“O amor pelo time é o elemento mais sagrado para um componente da Gaviões. E impor o uso do verde em um botão sequer da roupa é tão ofensivo quanto colocar adereços pretos em Xangô, vermelho em Oxalá ou qualquer cor que não seja o roxo ao cobrir os santos nas igrejas em uma Sexta-feira Santa. O sagrado se vive, não se contesta”, concluiu.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.