Home » Ícone da Beija-Flor, Pinah será enredo da Lins Imperial em 2020

Ícone da Beija-Flor, Pinah será enredo da Lins Imperial em 2020

Pinah com o príncipe Charles em 1978 – Reprodução

A Lins Imperial, do Grupo Especial da Intendente Magalhães, terá a ex-destaque da Beija-Flor Pinah, a Cinderela Negra, como enredo no Carnaval 2020.

Nascida Maria da Penha Ferreira Ayoub, Pinah é um dos nomes mais populares da história da escola de Nilópolis e do próprio Carnaval. Ela ficou famosa nos anos 1970, quando a Beija-Flor conquistou seus primeiros títulos e despontou como uma nova potência para enfrentar o domínio do quarteto formado por Mangueira, Portela, Império Serrano e Salgueiro. Pinah acabou se tornando um símbolo dessa época.

Em 1978, foi protagonista de um episódio célebre, quando dançou com o príncipe Charles. A cena foi reproduzida em 2016 pela comissão de frente da Acadêmicos do Tatuapé, vice-campeã com o enredo sobre a Beija-Flor, no Carnaval de São Paulo, onde mora atualmente.

Pinah no desfile da Tatuapé em 2016 – Leo Franco/AgNews

A agremiação, uma das mais tradicionais do Rio, se apresenta no dia 25 de fevereiro, na Estrada Intendente Magalhães, no bairro do Campinho, Zona Norte do Rio de Janeiro.

Lei Rouanet

A escola obteve liberação da Secretaria Especial de Cultura (do Ministério da Cidadania) para captar R$ 433.092 mil via Lei de Incentivo à Cultura, a Lei Rouanet, para cobrir os custos do desfile.

Com o projeto aprovado, a agremiação vai em busca de patrocinadores.

Mais:
De família musical, Marcelo Adnet entra na disputa de samba-enredo da São Clemente; ouça
Portela anuncia enredo inspirado em mito tupi-guarani e lembra genocídio indígena

Em tempos de ataques a terreiros, Grande Rio exalta pai de santo gay e prepara festa contra intolerância religiosa
Alcione rebate Bolsonaro por declaração sobre ‘paraíbas’ e pede respeito ao povo nordestino
Veja a ordem dos desfiles do Grupo Especial do Rio em 2020
Mangueira imagina volta de Jesus Cristo, combate a intolerância e anuncia: ‘A verdade vos fará livre’

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.