Home » Lei Rouanet: maioria das escolas de Rio e São Paulo falha, mas Mancha Verde ‘sobra’ com Crefisa e leva R$ 11 milhões em 5 anos

Lei Rouanet: maioria das escolas de Rio e São Paulo falha, mas Mancha Verde ‘sobra’ com Crefisa e leva R$ 11 milhões em 5 anos

Grande Rio 2019 – Fernando Grilli/Riotur

No ano em que a crise voltou a rondar os barracões, as escolas de samba dos grupos especiais do Rio de Janeiro e São Paulo não conseguiram, em geral, convencer empresas a patrocinarem seus desfiles de 2020 pela Lei de Incentivo à Cultura – a Lei Rouanet.

Veja a ordem dos desfiles de 2020

O caso do Rio é mais grave: as agremiações não receberam a tradicional verba da prefeitura, após dois anos seguidos de cortes, e quase todas também não obtiveram dinheiro pelo mecanismo até a sexta-feira, 14 – a uma semana do Carnaval. O governo aprovou 10 projetos, com um total de R$ 27,5 milhões, mas só uma agremiação captou: a Grande Rio, com R$ 536 mil.

Das 13, só Estácio de Sá, Paraíso do Tuiuti e Beija-Flor não tiveram projetos inscritos na Secretaria Especial (antigo ministério) da Cultura.

Um caso emblemático é da Vila Isabel. A escola conseguiu a aprovação para captar quase R$ 5 milhões, mas não viu um centavo. Em entrevista ao jornalista Pedro Willmersdorf, do blog Repinique, de O Globo, o presidente da agremiação, Fernando Fernandes, desabafou ao dizer que, dos R$ 4 milhões prometidos via Lei Rouanet pelo governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), nada chegou. A verba seria arrecadada junto a empresas de Brasília, a quem a Vila dedica seu desfile este ano.

Mais:
Prefeitura do Rio prevê R$ 4 bilhões de impacto na economia do Rio no Carnaval 2020

Portela e Salgueiro planejam campanha para aumentar número de sócios; Vasco serve de inspiração
Você reconhece os intérpretes do Carnaval pelo grito de guerra? Faça o teste!

O projeto com maior valor é o da Mocidade Independente de Padre Miguel, com R$ 5,6 milhões – bem perto do teto de R$ 6 milhões.

Única a ter sucesso na captação, a Grande Rio levantou o dinheiro com três empresas: Copagaz (R$ 375 mil), cuja filial no estado do Rio fica em Duque de Caxias; Suez Energy (R$ 91 mil); e Estok (R$ 70 mil). No ano passado, a escola também já tinha sido uma das poucas a obter patrocínio pela Rouanet.

Mancha sobra

São Paulo, o quadro não é muito diferente. Somente duas escolas conseguiram levantar dinheiro pela Lei Rouanet: Mocidade Alegre e Mancha Verde. E a agremiação ligada à torcida organizada do Palmeiras foi responsável, sozinha, por praticamente toda verba arrecadada via mecanismo federal. Foram cerca de R$ 15,8 milhões aprovados. Mas, ao contrário do Rio, a prefeitura não só manteve o apoio financeiro às escolas como aumentou o valor do aporte.

Veja a evolução das captações via Lei Rouanet das escolas desde 2017

Dos R$ 4,5 milhões captados, R$ 3,98 milhões correspondem ao patrocínio para a Mancha – a Mocidade teve “modestos” R$ 550 mil (integralmente da Cebrace – Cia. Brasileira de Cristal), mais inclusive que a Grande Rio.

Jorge Freitas (de barba branca e óculos) e demais integrantes da Mancha Verde comemoram título de 2019 com troféu – Luiz Cláudio Barbosa/Código19/Estadão Conteúdo

A escola palmeirense mantém uma sólida relação com a mesma patrocinadora do clube alviverde, a Crefisa, que nos últimos anos vem garantindo a saúde financeira da agremiação. Desde 2016, foram R$ 11,3 milhões repassados pela financeira em cinco carnavais – a primeira ajuda foi de R$ 250 mil -, dinheiro que viabilizou a contratação de um dos principais carnavalescos de São Paulo, Jorge Freitas, e culminou com o título inédito no ano passado.

Leia também:
Homem de fé, Leandro Vieira desconstrói ‘Cristo europeu’ na Mangueira e pede passagem para seu ‘Jesus da Gente’

Único carnavalesco negro no Grupo Especial, seguidor de Joãosinho Trinta e fã de Clodovil: João Vítor Araújo conta trajetória até o Tuiuti
Ultra-conservadores de hoje representam os que tramaram a condenação de Jesus, diz Leonardo Boff sobre ataques à Mangueira
Pastor Caio Fábio compara samba da Mangueira de 2020 ao evangelho de Jesus e critica fanatismo religioso; assista

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.