Home » Liesa não vê chance de patrocínio e reafirma cancelamento dos ensaios técnicos

Liesa não vê chance de patrocínio e reafirma cancelamento dos ensaios técnicos

Ensaio técnico da Mangueira – Alexandre Macieira/Riotur

Na última sexta-feira, circulou por grupos de Whatsapp uma suposta agenda de ensaios técnicos no Sambódromo em 2018. Tudo não passa de mais uma pegadinha da web – ou fake news.

Segundo a Liga Independente de Escolas de Samba (Liesa), as apresentações estão mesmo canceladas. Não há, de acordo com o presidente da entidade, Jorge Castanheira, qualquer chance de acontecer.

O dirigente já não tem esperança de que surja um patrocinador na última hora para viabilizar os ensaios.

Leia também:
Escolas devem ser do povo, não das celebridades, diz ator Aílton Graça

Vote! Qual escola do Grupo Especial do Rio tem o melhor samba-enredo de 2018?
Escolas recebem verba da Prefeitura, e Liesa tenta mais R$ 5 milhões com Temer
Quiz: Leia as dicas e tente descobrir quem são esses sambistas

“Não temos condição nenhuma de fazer (os ensaios). Somente no dia 4 de fevereiro, com Mocidade e Portela, para os testes de luz e som do Sambódromo. Não dá tempo (de conseguir patrocínio). Não é viável, nem para a Liesa, nem para as escolas. Estou buscando verba para o desfile e não estou conseguindo, imagina para o ensaio”, disse Castanheira ao Setor 1.

“Temos que priorizar o Carnaval e fazer um belo espetáculo”, completou o presidente.

A Liesa já havia anunciado o cancelamento dos ensaios anteriormente, por não ter os R$ 4 milhões necessários para a realização das apresentações. Mas a entidade havia cogitado a possibilidade de voltar atrás caso surgisse um patrocinador, o que não aconteceu.

Com entrada gratuita para o público, os ensaios se firmaram entre os principais eventos do pré-Carnaval. Eles servem para ajustes das escolas e saber se os componentes já estão com o samba na ponta da língua.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.