Home » Mancha Verde rebatiza quadra com nomes de Leila Pereira e do marido, proprietários da Crefisa

Mancha Verde rebatiza quadra com nomes de Leila Pereira e do marido, proprietários da Crefisa

Mancha Verde 2018 – Divulgação/Liga SP

A Mancha Verde rebatizou sua quadra fazendo uma homenagem ao casal de proprietários da Crefisa, financeira que patrocina tanto a escola como o Palmeiras. Agora o espaço passa a ter o nome dos empresários Leila Pereira e o marido, José Roberto Lamacchia.

A empresária, que também é conselheira do Palmeiras, comemorou com um post no Instagram na última segunda-feira.

“Esta foi a homenagem que recebemos da Escola de Samba Mancha Verde! Nossos nomes estão gravados na parede da entidade e farei o possível para que também fique gravado no coração de cada componente da Escola e de nossa torcida! Muito obrigada Paulo Serdan e a todos da Comunidade Mancha Verde!”, escreveu Leila, citando o presidente da escola.

A quadra foi rebatizada para “Arena José Roberto Lamacchia & Leila Pereira”.

Patrocínio

A Crefisa é responsável, de longe, pelo maior patrocínio a uma escola de samba em todo o Brasil em 2019, via Lei de Incentivo à Cultura – mecanismo federal de fomento do setor por meio de renúncia fiscal. Para este ano, a financeira garantiu R$ 3,4 milhões à agremiação palmeirense.

A título de comparação, a escola que obteve o maior volume captado via Lei Rouanet depois da Mancha Verde foi a poderosa Grande Rio, de Duque de Caxias (RJ), com R$ 1,5 milhão.

Os patrocínios da Crefisa à Mancha Verde já aconteceram em outros Carnavais. No ano passado, por exemplo, o valor do repasse foi mais “modesto”: R$ 2,3 milhões.

O apoio permitiu, por exemplo, a contratação de Jorge Freitas, considerado por muitos o principal carnavalesco do Carnaval de São Paulo.

Leila Pereira, da Crefisa – Bruno Ulivieri/O Fotográfico/Estadão Conteúdo

O patrocínio da Crefisa no Carnaval não se limita à Mancha Verde. A empresa também deu, via Lei Rouanet, R$ 1,85 milhão para serem divididos entre as escolas do Grupo de Acesso 1 de São Paulo.

Leia também:
Mancha Verde tentou contratar Paulo Barros em 2018
Tuitaço pede Carnaval sem verba pública
Federação Israelita de SP repudia Hitler da Águia de Ouro
Acesso de SP receberá mais verba que escolas do Especial do Rio

Sossego recua e nega que escultura de diabo represente Crivella
Viúva de Marielle desfilará na Mangueira: ‘vai ter Carnaval, amor, resistência e luta’
Escola de samba de SP terá ala com tucano policial ‘que não gosta de professor’

A Mancha Verde será a terceira a desfilar no Grupo Especial de São Paulo, na sexta-feira, 3 de março. (Veja aqui a ordem completa dos desfiles)

O enredo da escola é “Oxalá, salve a princesa! A saga de uma guerreira negra”, sobre a saga Aqualtune, uma princesa do Congo que veio para o Brasil escravizada, que seria mãe de Ganga Zumba e avó de Zumbi dos Palmares.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

1 comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.