Home » Mangueira, Portela e Salgueiro lamentam morte de Marielle Franco

Mangueira, Portela e Salgueiro lamentam morte de Marielle Franco

Pelo menos três escolas de samba do Rio se pronunciaram (até o fim da tarde desta quinta-feira) sobre o assassinato da vereador Marielle Franco (PSOL): Mangueira, Portela e Salgueiro.

Em comunicado publicado no Facebook, a Mangueira lamentou “profundamente” a morte da parlamentar e disse que o crime “atinge a todos moradores de favela, mulheres, LGBT, jovens e negras(os), que tinham na luta e na pessoa da Marielle uma voz que denunciava abusos de autoridades e a violência contra o povo excluído da nossa ‘cidade maravilhosa'”.

“Potencializamos nossa voz ao lado daqueles que defendem uma sociedade mais justa, democrática e igualitária para todas e todos para que este crime tenha rigorosa e imediata apuração. (…) Vamos prosseguir com sua luta contra a violência e os abusos contra o povo pobre, pois como cantamos em nosso desfile, ‘Ninguém vai calar a Estação Primeira’. Iremos plantar mais rosas que como Mariele ousaram falar, em breve teremos um lindo jardim e nossa cidade voltará a ser maravilhosa com uma primavera adorada”, publicou a agremiação.

O carnavalesco mangueirense, Leandro Vieira, compartilhou um vídeo em homenagem a Marielle, que circula na web, junto da frase “Pare o mundo que eu quero descer! #justiça #marielle #nãovãocalarMarielle”.

Já a Portela, por meio do Departamento Cultural da escola, recordou a passagem da vereadora pelo evento De Asas Abertas em 2017, em edição em homenagem às mulheres, e ainda decretou que todos seus eventos serão “atos de resistência cultural e política, em nome de Paulo da Portela, Antônio Candeia Filho e de todo povo negro”.

“Homens e mulheres da Portela não se calarão com a clara demonstração de intimidação que foi a execução da vereadora Marielle Franco”, declarou a escola em publicação no Facebook.

O Salgueiro publicou uma foto de Marielle no Instagram, com a pegunta provocativa feita anteriormente pela vereadora: “Quantos mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe?”. A escola ainda usou a hashtag #senhorasdoventredomundo, título do enredo de 2018, sobre as matriarcas negras.

Tragédia

Marielle levou quatro tiros e morreu em uma emboscada no bairro do Estácio, na noite a última quarta-feira, depois de deixar um evento na Lapa. Ela era reconhecida pela sua militância no movimento negro, em defesa dos moradores das regiões periféricas e contra a violência policial nas favelas. A principal linha de investigação aponta para uma execução com motivações políticas.

Veja todas as postagens citadas abaixo:

#senhorasdoventredomundo

Uma publicação compartilhada por Acadêmicos do Salgueiro (@salgueirooriginal) em

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.