Home » Montagem informa ano errado para criar relação do adiamento do Carnaval à encenação com Jesus e diabo no desfile da Gaviões da Fiel

Montagem informa ano errado para criar relação do adiamento do Carnaval à encenação com Jesus e diabo no desfile da Gaviões da Fiel

Imagem de cena da comissão de frente da Gaviões da Fiel de 2019 é usada como se fosse de 2020

Nas últimas horas, uma montagem de fotos relacionando o adiamento dos desfiles das escolas de samba de 2021 a uma encenação da Gaviões da Fiel, que mostra Jesus Cristo sendo arrastado pelo diabo, viralizou em redes sociais e aplicativos de troca de mensagens.

A montagem mostra duas fotos: uma de um trecho da apresentação da comissão de frente da escola corintiana, em que o diabo arrasta Jesus pelo chão, com a legenda “2020”; e outra do Sambódromo do Rio de Janeiro vazio, com a legenda “2021”, relacionando o adiamento dos desfiles de 2021, causado pela pandemia de Covid-19, a um suposto desrespeito a Jesus ou “castigo divino”.

Na verdade, a primeira imagem é da apresentação da comissão de frente da Gaviões de 2019, cujo enredo falava sobre o tabaco, e não de 2020. E o desfile aconteceu no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, e não no Rio de Janeiro. Além disso, ao fim da encenação, Jesus vence o diabo, e não o contrário, como insinua a montagem.

A montagem foi compartilhada no Instagram pelo ex-jogador e comentarista Pedrinho, que defendeu Vasco, Palmeiras e outros clubes, junto da frase “respeitem o rei dos reis!!!”. Em seguida, a comunidade do Carnaval passou a denunciar nas redes sociais o equívoco da imagem.

Em 2020 houve desfiles normalmente em várias cidades do Brasil, inclusive Rio e São Paulo. A Viradouro foi a campeã na Marquês de Sapucaí; o Águia de Ouro, no Anhembi. A Gaviões desfilou com o enredo sobre o amor.

A comissão de frente da Gaviões em 2019 encenava a história de Santo Antão, que, segundo a liturgia católica, deparou-se com uma serpente debilitada durante peregrinação pelo deserto. Antão acolheu o animal, mas foi traído e picado pelo réptil. O peregrino arrancou o veneno com a boca e cuspiu no chão, onde nasceu um ramo de tabaco. A comissão da escola narrava justamente essa lenda, em que Santo Antão era representado por uma escultura que cuspia fumaça quando se livrava do veneno. A mesma apresentação mostrava um anjo derrotando o diabo.

Em entrevista à revista Veja em março de 2019, o coreógrafo Edgar Júnior explicou que, no fim da encenação (assista aqui), o “bem vence o mal” – ou seja, Jesus supera o diabo, e Antão recebe a lição de que deve manter a fé, mesmo sendo testado.

Mais:
Como Dona Zica e um motorista atrasado ajudaram a criar clássica capa de Cartola
Estácio anuncia reedição de enredo sobre o Flamengo

Após viralizar na internet, Tia Surica não se arrepende de xingamento a Crivella: ‘foi espontâneo’
Candidatos das escolas de samba, Paes e Covas vencem no Rio e em São Paulo; relembre briga Crivella x Carnaval

“O personagem do diabo está ali para testar a fé do Santo Antão. O enredo mostra que o diabo perde a batalha para os anjos do bem diversas vezes. Depois disso, ele coordena com as forças do mal e batalha com Jesus, que realmente sofre. Mas, no final, os anjos protegem Jesus e ele aparece forte, abençoa a plateia, os anjos do bem e do mal e até o diabo, porque ele é uma pessoa de luz. Acaba a guerra e ele fala com Santo Antão como a dizer: ‘Não perca a sua fé, sempre vão testá-la, mas estou aqui contigo’. O bem vence no final”, disse Edgar Júnior à Veja.

Na época do desfile, a comissão de frente da Gaviões motivou reações de entidades e grupos cristãos. A Frente Parlamentar Evangélica da Câmara dos Deputados repudiou a encenação. O advogado Carlos Alexandre Klomfahs acionou a Gaviões na Justiça, alegando que a agremiação havia desrespeitado “o símbolo e a religião cristã”, e pedia uma retratação da escola. O juiz Felipe Albertini Nani Viaro, da 26ª Vara Cível de São Paulo, extinguiu a ação.

A imagem com a data errada:

Montagem que relaciona adiamento do Carnaval à comissão de frente da Gaviões da Fiel

Adiamento

Os desfiles das escolas de samba, no Rio e em São Paulo, foram deslocados de fevereiro para a primeira quinzena de julho de 2021. Não há, porém, confirmação da realização do Carnaval fora de época. As duas principais ligas que comandam os desfile nas duas capitais aguardam o andamento da vacinação contra o coronavírus e a posição das autoridades sanitárias.

Mais:
Veja a ordem dos desfiles de São Paulo
Veja a ordem dos desfiles do Grupo Especial do Rio de Janeiro

O site Carnavalesco também checou o boato, e o jornalista Leonardo Dahi fez um fio no Twitter explicando a comissão de frente (clique abaixo para abrir a sequência completa).

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.