Home » Morre a vice-presidente do Vai-Vai, Anna Murari

Morre a vice-presidente do Vai-Vai, Anna Murari

Anna Maria Murari – Vai-Vai

Morreu neste sábado, 26, a vice-presidente do Vai-Vai, Anna Maria Murari, aos 71 anos.

Italiana nascida em Roma, doutora Anna, como era chamada, era advogada e ex-juíza, e fazia parte do conselho gestor da escola. Em 2019, tornou-se uma das comandantes da agremiação após o afastamento do presidente Darly Silva, o Neguitão.

Anna assumiu o Vai-Vai em meio a uma das maiores crises da escola, e liderou a volta da agremiação do Bixiga ao Grupo Especial de São Paulo.

“Sua história se confunde, e praticamente se mistura, com a história do Bairro do Bixiga, berço da nossa escola. De família tradicional italiana, a ‘Doutora Ana’ – como sempre a chamamos – levou a frente o legado de seu pai, o Seu Júlio, no comando da Taberna de mesmo nome, uma das mais festejadas da região”, publicou o Vai-Vai no Instagram.

A Liga SP publicou uma nota de pesar pela morte de Anna.

“Com profunda tristeza, recebemos a notícia da morte de Anna Maria Murari, vice-presidente do Vai-Vai. Dra. Anna, como era conhecida, nasceu em Roma, uma italiana autêntica, e morou na Bela Vista, bairro que sedia a agremiação, por mais de 50 anos. A Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo presta condolências aos familiares neste momento de dor.”

Leia abaixo o comunicado do Vai-Vai na íntegra:

“A gratidão é um sentimento, uma percepção social que nasce da relação integra entre as pessoas.

Ana Maria Murari, nossa vice-presidente, teve papel crucial no processo de retomada do G.R.C.S.E.S VAI-VAI.

Deixando todas as divergências de lado, ela deu as mãos a todos aqueles que, no momento de aflição, precisavam se unir para tocar em frente.

Sua história se confunde, e praticamente se mistura, com a história do Bairro do Bixiga, berço da nossa escola. De família tradicional italiana, a “Doutora Ana” – como sempre a chamamos – levou a frente o legado de seu pai, o Seu Júlio, no comando da Taberna de mesmo nome, uma das mais festejadas da região.

Sempre bem humorada, era uma típica “Nona” para nós. Várias de nossas mais importantes reuniões foram realizadas em seu restaurante, acompanhadas sempre de uma boa massa e muita descontração.

Sem sombra de dúvidas, perdemos, além de uma importante liderança, um pouco do espírito acolhedor e nostálgico de nosso bairro.

O luto destes próximos dias será o sinal de respeito pela passagem, mas, passada a escuridão deste momento, nos comprometemos a cumprir a promessa feita: levar a sua VAI-VAI para a avenida com um grande carnaval.

Você lutou muito!
Descanse em paz e nos oriente de onde estiver!

Un baccio, cara nostra!”

Dalla tua comunità.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.