Home » Presidente do Império Serrano pede desculpas e nega ter sido intimidada por diretor em final de samba

Presidente do Império Serrano pede desculpas e nega ter sido intimidada por diretor em final de samba

Vera Lúcia Corrêa, presidente do Império Serrano – Divulgação/Império Serrano

A presidente do Império Serrano, Vera Lúcia Corrêa, negou nesta quarta-feira, 11, ter sofrido intimidação do diretor de Carnaval da escola, José Luis Escafura, na final da disputa de samba-enredo para 2020.

“O nosso Diretor de Carnaval Zé Luis Escafura jamais faltou com o respeito e usou de intimidações comigo, quem me conhece sabe que eu jamais permitiria. Volto a dizer, a escolha foi no voto, na democracia e, eu perdi. Caso contrário, eu poderia ter sido autoritária e ter decidido sozinha. Mas não é assim que se forma uma equipe e eu sempre dei a autonomia a cada setor da escola”, disse Vera, em declaração publicada pelo Império no perfil da escola no Facebook.

O comunicado tenta apaziguar os ânimos na escola, rebaixada para a Série A, sobretudo entre os compositores, depois da tumultuada final da madrugada do último domingo, 8.

Na ocasião, Vera se declarou “voto vencido” na escolha da obra e, descontente com o resultado, deixou a quadra anunciado que estava se retirando da escola. A mensagem foi entendida como um pedido de renúncia, não confirmado posteriormente. A dirigente inclusive se desculpou por ter se “expressado mal”.

Leia também:
Veja a ordem dos desfiles das escolas de samba da Série A do Rio no Carnaval 2020
Após dois anos de cortes, Crivella triplica verba e anuncia R$ 3 milhões para escolas da Intendente Magalhães
Com Elza Soares, pai de santo e volta de Jesus Cristo, Carnaval 2020 será marcado pela crítica social; conheça os enredos

Uma briga generalizada tomou a quadra da agremiação, com arremesso de cadeiras e mesas sobre presentes. (Veja os vídeos aqui)

Em seguida, começaram a circular pelas redes sociais e aplicativos de troca de mensagens áudios e vídeos de compositores e pessoas ligadas ao Império denunciando uma suposta interferência de Escafura. O diretor, afirmam os críticos, teria escolhido o samba vencedor de forma autoritária, sem levar em conta os votos dos segmentos da escola e intimidando Vera. Ela nega.

“Todos sabem que não houve nenhuma desavença moral ou física contra mim ou a qualquer outro membro da equipe”, afirma a presidente.

O samba vencedor é assinado por Aluísio Machado, Lucas Donato, Senna, Matheus Machado, Luiz Henrique, Thiago Bahiano, Beto BR, Rafael Prates e Renan Diniz. As denúncias teriam partido de compositores derrotados na disputa.

“Peço a todos que parem de divulgar coisas que não se tem conhecimento, venham participar da escola. Vamos fazer um carnaval cheio de dificuldades, mas seremos dignos”, clama a presidente, que ocupa o cargo desde 2014.

Leia o comunicado na íntegra:

À Comunidade.

Circula nas redes sociais e aplicativos de mensagens vídeos e áudios que afirmam que a Presidente Vera Lucia Correa teria sofrido ameaças, intimidações e constrangimentos na escola do samba de enredo do Império Serrano e, cumpre esclarecermos que nada do que é dito tem o mínimo de veracidade. Vejamos as palavras da Presidente:

“Não tivemos desentendimentos na escolha do samba, foi uma votação democrática, porém fui derrotada (voto vencido). Fiquei sim muito chateada e decepcionada com o resultado, acreditava que o samba em qual votei seria o melhor para a escola. Em outra situação, um Presidente iria exercer o poder e decidir sozinho. Porém o Império Serrano preza pela democracia e eu fui derrotada, no voto. Não sofri constrangimento e muito menos ameaças, a escolha foi técnica e justa. Peço, inclusive, desculpas por ter me expressado mal naquele momento. Sei que dei motivos para várias interpretações diferentes e isso pode ter causado um constrangimento desnecessário para nossos diretores e compositores. Mas quero aqui deixar claro que na minha administração temos a participação de todos e nenhuma decisão é tomada sem que haja uma discussão saudável sobre o tema e não foi diferente dessa vez. O nosso Diretor de Carnaval Zé Luis Escafura jamais faltou com o respeito e usou de intimidações comigo, quem me conhece sabe que eu jamais permitiria. Volto a dizer, a escolha foi no voto, na democracia e, eu perdi. Caso contrário, eu poderia ter sido autoritária e ter decidido sozinha. Mas não é assim que se forma uma equipe e eu sempre dei a autonomia a cada setor da escola. Votaram, para a escolha do samba, Representantes de diversos setores da escola, incluindo alguns segmentos, todos participaram da apuração. Todos sabem que não houve nenhuma desavença moral ou física contra mim ou a qualquer outro membro da equipe.

Peço a todos que parem de divulgar coisas que não se tem conhecimento, venham participar da escola. Vamos fazer um carnaval cheio de dificuldades, mas seremos dignos.” – Vera Lucia Correa, Presidente do Conselho Diretor do Império Serrano.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.