Home » União da Ilha desiste de Fatumbi, e futuro presidente brinca sobre novo enredo: ‘Se eu pudesse, seria Vacina sim, cloroquina não’

União da Ilha desiste de Fatumbi, e futuro presidente brinca sobre novo enredo: ‘Se eu pudesse, seria Vacina sim, cloroquina não’

Ney Filardi, União da Ilha
Ney Filardi, presidente da União da Ilha – Foto: Divulgação

Caso não aconteça algo fora do roteiro, Ney Filardi será aclamando presidente da União da Ilha neste domingo, 11. Único candidato inscrito, Filardi afirma que voltará ao posto que ocupou entre 2009 e 2018 por pedidos de amigos. Ele substituirá Djalma Falcão, e encontrará a escola no acesso, enfrentando a profunda crise causada pela pandemia de Covid-19.

Pelo menos uma mudança importante o dirigente anunciou para tentar o retorno ao Grupo Especial: a troca de enredo.

A Ilha havia anunciado para 2022 a reedição de “Fatumbi”, desfile sobre o fotógrafo e etnólogo francês Pierre Verger, do Carnaval de 1998. No entanto, Filardi afirmou ao Setor 1 que a ideia já foi abortada. “Com todo respeito ao Milton Cunha [que assinou o desfile originalmente], mas sou contra reedições”, explicou.

“Vou conversar com os carnavalescos [Severo Luzardo e Cahê Rodrigues] a partir de segunda-feira”, disse o futuro presidente, que promete enredo inédito e faz uma brincadeira.

“Se eu pudesse, o enredo da União da Ilha seria ‘Vacina, sim. Cloroquina, não'”, declarou, fazendo campanha pela vacinação contra o coronavírus e contra o uso de medicamentos sem eficácia contra o vírus.

Logo de Fatumbi, reedição de enredo que foi anunciada para 2021

“Pior desfile”

Filardi afirma que volta à União da Ilha com “o mesmo espírito guerreiro de sempre, de muita garra e amor pela escola”, e que a meta é voltar ao Grupo Especial “o mais rápido possível”. Para isso, apesar da crise, conta com a força da comunidade insulana para dar a volta por cima após o rebaixamento de 2020.

Veja também:
Tuiuti anuncia enredo afro para Carnaval 2022; presidente se declara a Lula

Saiba quando cai o Carnaval em 2022
Mídia do Carnaval de São Paulo lança campanha para ajudar profissionais das escolas de samba

Perlingeiro assume Liesa na maior crise do Carnaval, mira aproximação com Brasília e promete continuar na apuração

Sobre o desfile do ano passado, de triste lembrança para os insulanos, Filardi evita críticas específicas aos envolvidos – “eu não acompanhei de perto”, afirma -, e diz que “não há enredo ruim, há enredo mal desenvolvido”, mas não mede palavras ao avaliar a apresentação.

“Foi o pior desfile da história da União da Ilha”, detona.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.