Home » Campeã do Carnaval do Rio, Viradouro fabrica máscaras para prevenção ao coronavírus

Campeã do Carnaval do Rio, Viradouro fabrica máscaras para prevenção ao coronavírus

Sereia da comissão de frente da Viradouro, campeã de 2020 no Rio – Fernando Grilli/Riotur

A Viradouro, atual campeã do Carnaval do Rio de Janeiro, entrou no esforço de combate ao coronavírus e está ajudando a fabricar máscaras. Serão cinco mil unidades somente na primeira fase da iniciativa.

A escola cedeu os materiais para a produção das máscaras, que estão sendo feitas em uma confecção que presta serviços à agremiação há alguns anos. Os trabalhos começaram na última quarta-feira, 1.

As máscaras serão distribuídas na quadra da Viradouro, no Barreto, em Niterói, inicialmente para os componentes que desfilaram em 2020, mas a ideia é manter a produção por mais tempo, para beneficiar mais pessoas.

“Havia algumas peças inteiras de TNT, ainda embaladas, e peguei logo, pra começar a trabalhar. Aqui no ateliê, eu tinha alguns tecidos que restaram do trabalho que fiz pra Viradouro este ano. São tecidos sugeridos pelo Ministério da Saúde, como algodão, por exemplo, e também vamos aproveitar. Tudo já foi devidamente higienizado, seguindo as normas do pessoal da Saúde”, disse Kátia Paz, proprietária da confecção.

Em entrevista ao site Carnavalesco, o presidente da Liesa, Jorge Castanheira, afirmou que a liga está coordenando um mutirão para que 14 escolas de samba participem produzindo máscaras e aventais.

Ensaboa

A Viradouro tem se movimentado nas redes sociais em campanhas de prevenção ao Covid-19. E conta com a trilha sonora perfeita: o próprio samba da escola de 2020. O trecho “oh, mãe, ensaboa, mãe, ensaboa, pra depois quarar”, hit do Carnaval, ganhou uma versão nova: “ensaboa a mão”.

⚠ ATENÇÃO, COMUNIDADE! ⚠⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀Previna-se contra o novo Coronavírus e ajude a conter a sua disseminação.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀Repasse para seus amigos e familiares. A informação é uma grande aliada.

Publicado por Unidos do Viradouro em Quarta-feira, 18 de março de 2020

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.