Crivella diz que não volta atrás sobre corte de verba do Carnaval e compara crise a dores do parto

Grupo Especial - Rio
Romulo Tesi
Escrito por Romulo Tesi

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, afirma que não vai voltar atrás na decisão de cortar a verba para as escolas de samba do Grupo Especial. Crivella teve nesta segunda-feira a primeira agenda pública desde o início da polêmica, ao inaugurar um painel em uma escola municipal do Centro da cidade.

O prefeito estava em uma viagem internacional, iniciada logo depois anunciar que reduziria o valor dos repasses em 50%.

Crivella disse que está disposto a conversar, mas ressaltou que a prioridade é a educação e voltou a defender o corte. Nesta tarde, a Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba) tinha uma reunião marcada com a Riotur para discutir o assunto, mas o encontro foi adiado.

Leia também:
Alcione: ‘nesse país os caras roubam na Petrobras e a culpa é do samba’
Secretário de Crivella sugere corte de 100% da verba para escolas e critica Paes

Traídas? Escolas de samba apoiaram Crivella nas eleições. Relembre

“Eu não posso voltar atrás. O que nós estamos fazendo é voltar o orçamento do Carnaval a todos os anos anteriores do ano passado. Ano passado teve um aumento num momento de euforia, mas que deu no que deu. Olha só as dívidas que a cidade do Rio de Janeiro hoje se debate, se contrai”, disse Crivella, colocando o Carnaval entre os culpados pelos problemas de caixa do Rio.

Crivella se refere ao ano em que o então prefeito Eduardo Paes dobrou a verba para as escolas, de R$ 1 milhão para R$ 2 milhões, a fim de cobrir o buraco deixado pelo governo estadual, que havia deixado de fazer repasses às agremiações. A Petrobras também cortou verbas.

Crivella na inauguração do painel em escola do Rio – Foto: Thaiana de Oliveira/BandNews FM

“Cólicas redentoras”

O prefeito voltou a ressaltar a pressão causada pelos problemas financeiros e comparou a crise a dores de parto.

“Mas essas crises, essas cólicas, não são de maneira nenhuma para nos deixar desanimados. São como as cólicas de uma mulher prestes a dar à luz. São cólicas redentoras. Nós vamos sair dessa crise para dias muito melhores”, afirmou o prefeito, que fez um anúncio em tom de brincadeira.

“Eu estou lançando um bloco chamando é conversando que a gente se entende. É importante que esse momento difícil da Prefeitura seja repartido por todos. Nós estamos numa crise, tem que priorizar e não existe prioridade maior do que as nossas crianças nas creches”, declarou.

Entenda o caso

Crivella anunciou que pretende cortar em 50% a verba destinada às escolas de samba para investir em creches. O valor em 2017 foi de R$ 24 milhões, sendo R$ 2 milhões para cada agremiação. Como em 2018 serão 13 escolas no Grupo Especial, a expectativa era que o montante chegasse a R$ 26 milhões. Mas, conforme a Riotur (Empresa Municipal de Turismo do Rio de Janeiro), responsável por organizar a festa, já confirmou, o valor ficará mesmo em R$ 13 milhões.

A Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba) anunciou que, sem os R$ 13 milhões, os desfiles ficam inviáveis em 2018, e decidiu suspender as apresentações até que as partes cheguem a um acordo. A entidade espera conseguir um encontro com o prefeito, algo que vem tentando há meses, sem sucesso.

Na última sexta-feira, a Riotur disse, em nota, que o Carnaval está garantido e afirmou que vai buscar na iniciativa provada os recursos para as escolas. Mas confirma que as creches são prioridade.

Em resposta, sambistas realizaram um protesto no sábado. O grupo se concentrou em frente ao edifício administrativo da prefeitura, na Cidade Nova, e caminhou até a Marquês de Sapucaí.

O prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis, se prontificou a ajudar e ofereceu levar os desfiles para a cidade da Baixada Fluminense. “A festa traz receita, movimenta a economia. Tem dinheiro para tudo. Se puder levar a Sapucaí para Caxias, eu banco. Vai dar lucro, traz turistas, é importante para a cidade”, disse Reis ao jornal Extra.

(Com BandNews FM)

 

Sobre o autor

Romulo Tesi

Romulo Tesi

Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Deixe o seu comentário