Carnaval suspenso: Liesa diz que corte de verba proposto por Crivella inviabiliza desfiles

Grupo Especial - Rio
Romulo Tesi
Escrito por Romulo Tesi

A Liesa divulgou nesta quarta-feira que, caso o prefeito Marcelo Crivella de fato corte metade da verba para as escolas de samba, os desfiles ficarão inviáveis em 2018. Na prática, as apresentações ficam suspensas até que as partes cheguem a um acordo.

Crivella anunciou que pretende reduzir em 50% dos R$ 24 milhões que a administração pública costuma repassar para as agremiações, e usar os recursos para investir em creches. As escolas, por sua vez, alegam que tal corte não faz sentido, uma vez que a prefeitura afirma ter, segundo dados da Riotur, retorno de R$ 3 bilhões com o Carnaval.

“(…) as Escolas de Samba do Grupo Especial, representadas por seus Presidentes abaixo assinados, vêm esclarecer a opinião pública que, em reunião realizada na sede da LIESA, no dia 14/06/2017, chegaram a conclusão que, a prevalecer a decisão do Exmo. Sr. Prefeito Marcelo Crivella, ficarão inviabilizadas as apresentações das Escolas de Samba, no Carnaval de 2018”, afirma o comunicado.

A Liesa ainda volta a pedir uma reunião com Crivella, a fim de tentar convencer o prefeito a desistir da ideia e manter a subvenção nos valores originais.

Leia também:
Escolas de samba apoiaram Crivella nas últimas eleições

Leia o comunicado:

Foi com surpresa que as Escolas de Samba do Grupo Especial da LIESA tomaram conhecimento da decisão do Exmo. Sr. Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro de reduzir em 50% (cinquenta por cento) o apoio financeiro para a produção dos Desfiles do Carnaval de 2018.

Considerando os enormes benefícios econômicos, financeiros, de geração de empregos e de renda, além da valorização da imagem da Cidade do Rio de janeiro e do Brasil;

Considerando, também, o aumento substancial de arrecadação de impostos e receitas diretas e indiretas proporcionadas durante o período de preparação e realização dos desfiles carnavalescos;

Considerando, mais, que tal medida anunciada trará graves consequências para a produção do espetáculo, tornando inviável a realização do mesmo, nos moldes em que é anualmente apresentado;

Considerando ainda, a visita do então candidato a Prefeito à sede da LIESA, firmando o compromisso de manter a subvenção para as Escolas de Samba, no mínimo nos moldes do ano anterior, com a perspectiva de possíveis acréscimos, visando o engrandecimento do espetáculo.

Diante do acima exposto, as Escolas de Samba do Grupo Especial, representadas por seus Presidentes abaixo assinados, vêm esclarecer a opinião pública que, em reunião realizada na sede da LIESA, no dia 14/06/2017, chegaram a conclusão que, a prevalecer a decisão do Exmo. Sr. Prefeito Marcelo Crivella, ficarão inviabilizadas as apresentações das Escolas de Samba, no Carnaval de 2018.

Em face dos fatos narrados, as Escolas de Samba aguardam o agendamento, o mais breve possível, da audiência já solicitada anteriormente com o Exmo. Sr. Prefeito e os Presidentes das Escolas de Samba e da LIESA, com o objetivo de se encontrar uma solução para o problema, tendo em vista a gravidade dos fatos.

Sobre o autor

Romulo Tesi

Romulo Tesi

Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

1 Comentário

  • Não é possível, será que esse cara não enxerga que dinheiro colocado no Carnaval é investimento e que ele retorna com lucros e desse lucro ele pode construir ou modernizar as creches.

Deixe o seu comentário