Telefonema de Chiquinho e mudança de voto

Beija-Flor Liesa Mangueira Portela

O presidente da Portela, Luis Carlos Magalhães, disse que pelo menos dois mandatários de escolas mudaram de voto no momento da plenária desta quarta-feira na Liesa: União da Ilha e Mangueira. As duas votaram pela divisão do título entre a agremiação de Madureira e a Mocidade.

Em entrevista coletiva nesta quinta-feira, Magalhães revelou que recebeu um telefonema do presidente da Mangueira, Francisco de Carvalho. Chiquinho, como é conhecido, explicou a posição da Verde-e-Rosa. “Tenho a maior esperança que ele consiga me convencer. Ele sabe que estou chateado com ele, mas nos respeitamos muito”, disse o cartola portelense, com bom humor.

Foram sete votos a favor e um contra, da própria Portela. A escola anunciou que vai recorrer.

As demais se abstiveram. Entre elas a Beija-Flor. Magalhães narrou uma conversa com Anísio Abraão David, em que o presidente de honra disse desconhecer o caso a fundo. Por isso a abstenção.

Pauta

Membro da Comissão de Carnaval, Fábio Pavão crê que os presidentes que não opinaram o fizeram por não estarem preparados para tratar do assunto.

“Isso certamente motivou as abstenções”, afirmou.

“A convocação não foi feita para isso”, ressaltou Magalhães. “Se a pauta fosse essa, provavelmente ele (dando Anísio como exemplo) conversaria com alguém”, concluiu.

Sobre o autor

Romulo Tesi

Romulo Tesi

Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Comentários

  • Esse Chiquinho sempre foi um “politiqueiro”.
    Joga sujo e não assume sua verdadeira posição.
    Desde que era professor do colégio Itu, em Bento Ribeiro, jamais assumiu que obrigava os alunos ( do curso técnico de educação física) a ir de trem até a mangueira.
    Dizia que era opcional, mas quem não fosse seria reprovado na matéria.
    Alegando que teriam aulas práticas com o início do projeto Mangueira do Amanhã, na verdade os alunos pegavam em enxadas pra capinar o que mais tarde veio a ser a quadra de atletismo.
    Mas nunca assumiu!
    E, mais uma vez, não assume seu posicionamento.
    Vota a favor da Mocidade e pede desculpas à Portela.
    Enfim…
    Cada agremiação tem o presidente que merece.

  • Depois de 33 anos, a Portela, finalmente foi agraciada com o título de campeã, para a alegria dos portelenses já cansados de tantas injustiças no decorrer de três décadas.
    Foi ridículo o que aconteceu depois e, jamais vou entender, essa sacanagem que fizeram com a Portela. Divisão de título, depois de mais de um mês que o carnaval acabou? Me poupem!!!
    A Portela cria umas idéias pioneiras, que são aperfeiçoadas por outras escolas e, vem um espertalhão dizer que houve um engano de notas? Não colou!!! Meu apoio total que a Diretoria recorra e urgentemente. A Portela é uma escola que tem brilho próprio e, não pode se deixar ofuscar por uma decisão tão incoerente. Avante… Azul e Branco… A verdadeira campeã de 2017.

Deixe o seu comentário