Home » MPF pede prisão preventiva de Chiquinho da Mangueira

MPF pede prisão preventiva de Chiquinho da Mangueira

Chiquinho da Mangueira (PSC) na chegada à Superintendência da Polícia Federal, no Rio, após ser preso – Estefan Radovicz/Agência O Dia/Estadão Conteúdo

O Ministério Público Federal (MPF) pediu ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) a prisão preventiva de 15 investigados na Operação Furna da Onça, deflagrada na última quinta-feira, contra políticos do Rio de Janeiro. Entre os detidos está o presidente da Mangueira, Francisco de Carvalho, o Chiquinho da Mangueira, deputado estadual pelo PSC.

Chiquinho foi alvo de pedido de conversão de prisão temporária para preventiva na tarde da segunda-feira, 12.

O tempo de prisão temporária é de cinco dias. Se o tribunal aceitar o pleito do MPF, Chiquinho permanecerá detido, e o prazo é indeterminado.

Segundo o MPF, há indícios de que alguns investigados tiveram acesso a informações da operação antecipadamente, o que compromete em algum nível os cumprimentos dos mandados de busca e apreensão.

No esquema revelado pelo MPF, parlamentares ganhavam pagamentos mensais – chamados “mensalinhos” – em troca de votos em propostas que beneficiassem membros da quadrilha do então governador Sergio Cabral, até 2014, pelo menos.

Ao todo foram movimentados cerca de R$ 54 milhões, sendo que, só Chiquinho, é responsável por no mínimo R$ 3 milhões.

De acordo com as apurações, realizadas também pela Polícia Federal e a Receita Federal, Chiquinho recebeu R$ 200 mil para ajudar a custear o desfile da Mangueira em 2014, o primeiro da sua gestão após ser eleito para o posto. O valor seria parte de um montante bem maior – R$ 1 milhão, cifra pedida pelo dirigente. O deputado usava meias compridas e até a própria mãe para receber o dinheiro. Saiba mais aqui.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.