Home » Após desfile sem saias, carnavalesco do Império Serrano prioriza fantasia das baianas

Após desfile sem saias, carnavalesco do Império Serrano prioriza fantasia das baianas

Baianas do Império Serrano desfilando sem saia – Bruno Carvalho

No último Carnaval, o Império Serrano protagonizou uma das cenas mais tristes da história dos desfiles, ao passar pela Marquês de Sapucaí com suas tradicionais baianas sem a parte da fantasia que marca a ala desde sua criação: as saias. O episódio fez com que o novo carnavalesco da agremiação, Leandro Vieira, começasse a desenvolver o próximo desfile, sobre Besouro Mangangá, pela roupa das baianas.

“Fantasia das baianas foi a que surgiu primeiro na minha cabeça. Pensei no Império a partir da fantasia das baianas”, declarou Vieira em entrevista coletiva nesta segunda-feira, 7, durante live da escola.

Relembre

Apresentação do protótipo da fantasia das baianas de 2020, chamada “Mãe imperiana mãe”, inspirada no desfile de 1983 – Acervo pessoal

Um problema na confecção da roupa fez com que as baianas imperianas dessem os rodopios sem a vestimenta, uma mancha na trajetória da escola. As saias ficaram prontas em cima da hora e entregues na concentração, na avenida Presidente Vargas, momentos antes da apresentação na sexta-feira de Carnaval.

Ao receber as roupas, os responsáveis pela ala perceberam que haviam sido feitas sem a bainha por onde é passado os conduítes, que deixam a saia armada. Temendo algum acidente – um tropeço e queda por um eventual pisão na saia -, decidiu-se desfilar sem a parte da roupa. (Saiba mais sobre o caso aqui)

O resultado, trágico, foi visto na avenida e causou comoção na comunidade do samba. Apesar do temor de um rebaixamento para a Intendente Magalhães, o Império Serrano conseguiu se manter na Série A.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.