Home » Arlindo Cruz será o enredo do Império Serrano em 2023

Arlindo Cruz será o enredo do Império Serrano em 2023

Arlindo Cruz será enredo do Império Serrano - Divulgação
Arlindo Cruz será enredo do Império Serrano – Divulgação

Após muita espera, Arlindo Cruz será, enfim, homenageado pela escola do coração na Marquês de Sapucaí. O Império Serrano anunciou neste sábado (18), em feijoada da escola, que fará o enredo sobre o sambista, torcedor ilustre do Reizinho de Madureira, no Carnaval 2023.

Arlindo esteve presente no evento, que contou com show do filho do sambista, Arlindinho.

O enredo foi batizado como “Lugares de Arlindo”, que remete à “geografia do samba” do homenageado, com destaque para Madureira e os subúrbios do Rio de Janeiro.

O desfile dedicado a Arlindo era algo aguardado com expectativa entre os imperianos. Após a conquista do título da Série Ouro (acesso) e da vaga de volta no Grupo Especial, os rumores e os pedidos da comunidade nas redes sociais cresceram.

As “dicas” começaram no dia 3 de maio, quando o presidente da escola, Sandro Avellar, publicou uma foto com o filho de Arlindo, Arlindinho, e a esposa do sambista, Babi, dando uma pista do que estava por vir, e que acabou confirmado. Desde então, os rumores cresceram, e o Império passou a brincar nas redes sociais com o que já era dado como certo.

O desenvolvimento do enredo ficará a cargo do carnavalesco Alex de Souza, desligado recentemente do Salgueiro. O artista terá a missão de substituir o campeão Leandro Vieira, ex-Mangueira, anunciado na Imperatriz Leopoldinense.

“Como numa roda de amigos, o Império Serrano promove um reencontro para celebrar o grande Arlindo Cruz. Nesta festa regada a muito samba, vamos relembrar a sua história, seus sucessos e, com eles, percorrer caminhos que nos levará a lugares, reais e simbólicos, que marcam a trajetória desse imperiano de fé”, afirma o carnavalesco Alex de Souza, em declaração divulgada pela escola.

Mais que um torcedor ilustre, Arlindo, conhecido como “sambista completo”, está entre os maiores nomes da história do Império Serrano.

Ex-integrante do Fundo de Quintal e de sólida carreira solo, ele também é autor de 12 sambas da escola no Carnaval. O primeiro foi em 1989, com “Jorge Amado, Axé Brasil”, em parceria de outro gigante imperiano, Aluizio Machado, com quem assinaria muitos outros.

Leia também:
Imperatriz anuncia enredo sobre Lampião e julgamento divino ‘post mortem’ do cangaceiro
Rosa Egipcíaca conquistou franciscanos e previu casamento com D. Sebastião; biógrafo Luiz Mott revela detalhes da santa negra enredo da Viradouro
“Fui Exu”, por Demerson D’Álvaro
Como uma gira de malandro deu o ‘sinal’ para carnavalesco fazer enredo sobre Zeca Pagodinho na Grande Rio

A última vitória foi em 2016, com o samba para o desfile dedicado ao maior compositor de sambas de enredo, segundo a crítica especializada: Silas de Oliveira. Na ocasião, além de Machado, estavam na parceria o filho, Arlindinho, entre outros autores.

Em março do ano seguinte, Arlindo sofreu acidente vascular cerebral (AVC) que interromperia sua carreira e o tiraria dos palcos.

Logomarca do enredo sobre Arlindo Cruz no Império Serrano

Homenagem em São Paulo

Recentemente, Arlindo Cruz foi enredo de escola de samba, mas em São Paulo, com a X-9 Paulistana, em 2019. O desfile, apesar do samba aclamado como um dos melhores do ano, ficou somente em 10º lugar (de 14 agremiações).

Na ocasião, Arlindo, mesmo com as graves sequelas causadas pelo AVC, desfilou com a família após liberação médica. (Lembre como foi)

A participação pegou muitos de surpresa no Anhembi, já que, até horas antes do desfile, já na madrugada de sábado de Carnaval, não se sabia se Arlindo desfilaria ou ficaria no Rio de Janeiro. Para piorar, uma chuva desabou sobre o Rio de Janeiro, dificultando ainda mais o deslocamento.

Arlindo chegou de ambulância perto do início do desfile e foi imediatamente colocado no carro alegórico para cruzar o Anhembi, em uma apresentação marcada pela emoção.

Ainda em 2019, Arlindo Cruz foi enredo do Arranco de Engenho de Dentro, escola que na época estava no terceiro grupo do Rio.

Ouça o samba da X-9 Paulistana de 2019, sobre Arlindo Cruz:

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.