Setor 1

Governo Federal cancela repasse de R$ 8 milhões para escolas de samba; Liesa espera ‘definição política’

Mangueira 2017 – Fernando Grilli/Riotur

Quando as escolas de samba do Rio pareciam ter resolvido a questão financeira, uma bomba inesperada deixou a vida das agremiações ainda mais complicada. A menos de dois meses dos desfiles, a Caixa Econômica Federal informou que não vai mais repassar os R$ 8 milhões que havia anunciado recentemente. O motivo: atraso na entrega do projeto pela Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa).

Com isso, cada escola deixará de receber do Governo Federal cerca de R$ 615 mil, dinheiro que já era esperado para cobrir parte do rombo causado pelo corte de verba da Prefeitura.

Em nota, o Ministério da Cultura diz que as Liesa “não atendeu as exigências da Caixa” e do próprio MinC nos projetos patrocinados pela Lei Rouanet. “Agora não há prazo hábil para os trâmites internos”, do banco e do ministério, afirma o comunicado reproduzido pelo jornal O Globo. “A responsabilidade é da Liga das Escolas de Samba”, afirma ainda o MinC.

Leia também:
Riotur não prevê mais cortes, mas presidente diz: escolas devem ser autossustentáveis
Liesa não vê chance de patrocínio e reafirma cancelamento dos ensaios técnicos
Aílton Graça: escolas de samba devem ser do povo, não de celebridades
Vote! Qual escola do Grupo Especial do Rio tem o melhor samba-enredo de 2018?

Liesa

Em contato com o Setor 1, o presidente da Liesa, Jorge Castanheira, mostrou-se decepcionado com a decisão. O dirigente garante que todos os trâmites foram feitos de forma correta, como a Caixa e o MinC exigem.

“Estão argumentando que (o projeto) não teria dado entrada em tempo hábil, o que não é verdade. Tudo foi enviado corretamente”, diz Castanheira, que ainda busca uma saída para a questão.

“Estamos aguardando uma definição política em Brasília. Eu não sei qual é o pensamento deles. Já chegou para nós o posicionamento da Caixa, mas não do Ministério da Cultura. Estamos tentando contato com eles, e talvez no início da semana a gente tenha alguma novidade”, diz Castanheira.

Marcelo Alves, presidente da Riotur (1º à esq.), o prefeito Marcelo Crivella, Castanheira e o diretor de carnaval da Liesa, Elmo José dos Santos na entrega do cheque simbólico da subvenção municipal – Foto: Paulo Araújo e Riotur

A entidade que organiza os desfiles das escolas do Grupo Especial ainda busca uma fonte de renda alternativa, além dos R$ 6,5 do patrocínio do Uber, via Riotur.

Em recente contato com o Setor 1, Castanheira não só contava com os R$ 8 milhões da Caixa, como também buscava mais R$ 5 milhões do Governo Federal, totalizando os R$ 13 milhões oriundos do governo Temer.

Fazendo as contas

As escolas receberam, com algum atraso, no último dia 4, R$ 900 mil da verba de R$ 1 milhão da subvenção da Prefeitura para cada uma. Agora aguardam os recursos do patrocínio do Uber. O contrato com a Riotur deve ser assinado no próximo dia 15, mas, por conta da burocracia, o dinheiro, R$ 500 mil, só deve cair na conta das agremiações em janeiro.

Romulo Tesi

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • É dinheiro posto fora dar a escolas para carnaval ,coloquem esse dinheiro na saúde ,educação ou segurança pois nosso país esta quebrado,É DINHEIRO POSTO NO LIXO

Romulo Tesi

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Carnaval 2020 | FALTAM

Mais Categorias