Home » Senador Girão usa morte de Nelson Sargento para questionar eficácia da Coronavac e causa revolta nas redes sociais

Senador Girão usa morte de Nelson Sargento para questionar eficácia da Coronavac e causa revolta nas redes sociais

Nelson Sargento
Nelson Sargento ao receber a primeira dose da Coronavac – Reprodução Twitter/Eduardo Paes

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) citou a morte do sambista Nelson Sargento para questionar a eficácia da vacina Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan, nesta quinta-feira, 27. Em sua participação na CPI da Pandemia, no Senado, Girão mencionou o fato de Nelson ter morrido de Covid-19 mesmo tendo tomado duas doses do imunizante.

O questionamento foi feito ao presidente do Butantan, Dimas Covas, que presta depoimento à CPI. horas depois da morte de Nelson, que faleceu no Rio de Janeiro, aos 96 anos.

Covas respondeu que a vacina “não é uma proteção absoluta, um escudo contra a doença e contra a mortalidade”, e que a proteção é “relativa”, e que se deve levar em conta “fatores individuais das pessoas”, como as comorbidades.

Ainda segundo o presidente do Butantan, o índice indução de anticorpos em pessoas idosas – caso de Nelson Sargento – não é de 100%.

“A vacina não protege contra a infecção. Nenhuma vacina até esse momento tem demonstrado que protege contra infecção; protege contra contra manifestações clínicas”, explicou Covas.

Assista à resposta de Covas:

Nelson Sargento recebeu as doses da vacina em janeiro e fevereiro deste ano, e foi um dos primeiros imunizados no Rio de Janeiro.

Veja também:
CPI da Covid: Mandetta nega que Bolsonaro tenha pedido cancelamento do Carnaval
Vai ter Carnaval em 2022? Liesa estuda 3 propostas em caso de novo cancelamento
Livro narra célebre desfile sobre Xica da Silva e resgata expoentes da revolução salgueirense
São Clemente anuncia enredo em homenagem a Paulo Gustavo no Carnaval 2022
Saiba quando cai o Carnaval em 2022

Repercussão

Nas redes sociais, a reação foi imediata. Muitas pessoas, entre anônimos e famosos, sambistas ou não, publicaram mensagens de repúdio à fala de Girão.

Veja abaixo algumas reações:

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.