Home » Vasco faz minuto de silêncio para Laíla

Vasco faz minuto de silêncio para Laíla

O Vasco realizou neste sábado, 19, um minuto de silêncio dedicado à Laíla. A homenagem aconteceu antes do jogo do Gigante da Colina contra o CRB-AL, pela quinta rodada da Série B, em São Januário.

Vascaíno, Laíla se dizia torcedor “doente” e frequentemente ia ao estádio para assistir às partidas do clube do coração. Era comum torcedores pedirem para posar para fotos com o sambista, que morreu na sexta, 18, vítima de complicações da Covid-19.

Laíla em São Januário:

No dia da morte do diretor de Carnaval, o Vasco publicou uma nota de pesar.

“Com tristeza recebemos a notícia do falecimento de Laíla, vascaíno e diretor de carnaval. Desejamos muita força aos familiares e amigos neste momento. Quando se vai um torcedor nosso, se vai um pedacinho da gente”, postou o clube nas redes sociais.

Em 2003, Laíla chegou a citar o Vasco após um título da Beija-Flor de 2003. Assista:

Veja também:
São Januário já recebeu desfiles das escolas de samba; saiba mais
‘Não julgaram a escola, julgaram o Vasco e o Eurico’, diz presidente da Unidos da Tijuca sobre queda de 1998
Tia Surica brinca e diz que Paes estava com medo da agulha: ‘falei pra deixar de palhaçada’
Eduardo Paes anuncia liberação da Cidade do Samba: ‘Cheiro de vacina e Carnaval no ar’
Senador Girão usa morte de Nelson Sargento para questionar eficácia da Coronavac e causa revolta nas redes sociais
Saiba quando cai o Carnaval em 2022

Laíla faleceu após ficar internado por cinco dias no Hospital Israelita Albert Sabin, no Maracanã, na Zona Norte do Rio.

O sambista foi hospitalizado após apresentar sintomas da Covid-19. Ele testou positivo para a doença e ficou internado na Unidade de Terapia Intensiva. Laíla chegou a melhorar nesta quinta-feira, 17, e tinha expectativa de ser transferido para a enfermaria.

O diretor já tinha recebido as duas doses da vacina Coronavac.

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.