Home » Final do Império Serrano termina em pancadaria; presidente deixa quadra, mas escola nega renúncia

Final do Império Serrano termina em pancadaria; presidente deixa quadra, mas escola nega renúncia

Vera Lúcia, em foto de arquivo – Divulgação/Império Serrano

A final da disputa do samba-enredo do Império Serrano para 2020, na madrugada deste domingo, 8, acabou em confusão e pancadaria. Antes do anúncio da parceria vencedora, por volta das 4 horas da manhã, a presidente da escola, Vera Lúcia, subiu ao palco e, em seu discurso, disse que havia sido “voto vencido” e que discordava da escolha feita pela agremiação. Em seguida, disse que estava se retirando da escola.

A declaração motivou rumores, nas redes sociais e em aplicativos de mensagens, de que Vera havia renunciado ao posto de presidente. No entanto, segundo a agremiação, não é verdade. Em contato com o Setor 1, a assessoria de comunicação do Império informou que Vera apenas estava deixando a quadra, descontente com o resultado, mas que não renunciou e continua no cargo de presidente. O blog não conseguiu entrar em contato com a dirigente.

Logo após o anúncio da vitória da parceria Aluísio Machado, Lucas Donato, Senna, Matheus Machado, Luiz Henrique, Thiago Bahiano, Beto BR, Rafael Prates e Renan Diniz, uma confusão generalizada tomou a quadra em Madureira. Em vídeos que circulam pela internet, é possível ver trocas de socos e chutes e até cadeiras e mesas sendo arremessadas.

Leia também:
Veja a ordem dos desfiles das escolas de samba da Série A do Rio no Carnaval 2020
Após dois anos de cortes, Crivella triplica verba e anuncia R$ 3 milhões para escolas da Intendente Magalhães
Com Elza Soares, pai de santo e volta de Jesus Cristo, Carnaval 2020 será marcado pela crítica social; conheça os enredos

A assessoria da escola. que desfilará na Série A em 2020, afirmou que não vai se pronunciar sobre a confusão, e disse que compositores dos sambas na disputa não participaram da briga.

Veja vídeos da confusão:

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.