Home » União da Ilha surpreende e anuncia reedição de “Fatumbi”

União da Ilha surpreende e anuncia reedição de “Fatumbi”

Pierre Verger em autorretrato de 1952

A União da Ilha anunciou que no próximo Carnaval vai reeditar o enredo de “Fatumbi – A ilha de todos os santos”, de 1998, sobre o fotógrafo francês Pierre Verger (1902 – 1996), que se mudou para a Bahia, adotou o Candomblé como religião e se tornou babalaô.

Originalmente, o desfile foi desenvolvido pelo carnavalesco Milton Cunha. Agora a missão ficará com a dupla Cahê Rodrigues e Severo Luzardo.

O samba, aclamado como um dos preferidos pelos insulanos, mas pouco conhecido fora da turma do Carnaval, é de Márcio André, Almir da Ilha e Maurício 100.

Em 1998, a escola ficou apenas em 9º lugar, em um desfile com alguns problemas, inclusive o tombamento de uma escultura no segundo carro alegórico.

A escola foi rebaixada este ano e desfilará na Série A no próximo Carnaval, ainda sem sem data, por causa da pandemia de Covid-19.

Festa Profana

O anúncio não deixa de ser uma surpresa. Mais do que mera especulação, a reedição do antológico “Festa Profana”, de 1989, era dada como uma possibilidade concreta, praticamente certa.

Em entrevista à Rádio Arquibancada em junho deste ano, o Cahê disse inclusive que já estava trabalhando com a ideia.

“A princípio está batido o martelo. A gente tem trabalhado em cima dessa ideia. A escola ainda não se pronunciou oficialmente porque estamos esperando algumas coisas se alinharem para poder fazer uma divulgação bacana”.

Em live, o intérprete Ito Melodia também confirmou a reedição do samba de 1989.

No entanto, em entrevista ao site Carnavalesco esta semana, o presidente da União, Djalma Falcão, surpreendeu ao dizer que “Festa Profana” foi colocado “na conta” da escola, e tratou tudo como uma “doideira muito grande”. “Hora nenhuma anunciamos ou admitimos esse enredo”, declarou Falcão, quatro meses após a entrevista de Cahê.

Ouça o samba:

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.